Estudo epidemiologico de suicídios no Vale do Itajaí-SC
Epidemiological study of suicides in Itajaí Valley, SC.

Paulo Rogério Melo de Oliveira, Daniel Buhatem Kock, Micheline Ramos de Oliveira, Flávio Ramos, Maria Claudia S. Antunes de Souza

Resumo


Na presente pesquisa, foi realizado um estudo ecológico na Macrorregião do Vale do Itajaí entre 1996 e 2012 para identificar a população vítima de suicídio. Através dos dados disponíveis no DATASUS (Ministério da Saúde) e SIM (Secretaria de Estado de Santa Catarina), foram coletadas as informações de mortalidade voluntária no período pesquisado, obtendo os seguintes resultados: ocorreram 1.267 suicídios na região, com média de 8,881 suicídios por 100.000 habitantes (s/h) ao ano, representando a segunda maior média do Estado; Guabiruba foi o município com maior média no período (16,857 s/h) e Blumenau o município com maior número de ocorrências (377); o público masculino teve em média anual de 14,07 s/h e o feminino de 3,73 s/h; o índice de suicídios é maior, quanto maior a faixa etária, tanto em homens quanto mulheres; a maior taxa foi encontrada entre homens entre 70-79 anos, com 46,578 s/h; pessoas casadas se suicidam mais do que solteiras, em proporção muito maior do que as demais regiões do Estado; o principal método do suicídio é o enforcamento, seguido pelo uso de arma de fogo (entre homens) e intoxicação (entre mulheres); no mês de dezembro se concentram o maior número de ocorrências. O estudo epidemiológico apenas inicia um processo de conhecimento maior sobre como esse fenômeno afeta região do Vale do Itajaí, sendo necessários diversos aprofundamentos qualitativos que as estatísticas não são capazes de suprir. 


Palavras-chave


Saúde Pública. Estudo Epidemiológico (1996-2012). Políticas de Saúde Mental. Suicídio. Vale do Itajaí. Estado de Santa Catarina

Texto completo:

PDF

Referências


BERTOLOTE, J. M. Suicide prevention: at what level does it work? World Psychiatry., 3 (3), oct. 2004, p. 147–51. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2014.

CHACHAMOVICH, E. et al. Quais são os recentes achados clínicos sobre a associação entre depressão e suicídio? Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, 31 (1), mai. 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 fev. 2015.

DEISENHAMMER, E. A. Weather and suicide: the present state of knowledge on the association of meteorological factors with suicidal behavior. Acta PsychiatricaScandinavica, 108 (6), p. 402-409, dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2015.

DURKHEIM, É. O Suicídio, 1897. São Paulo: Martin Claret, 2003. (Série Ouro). Tradução: Alex Martins.

GONÇALVES, L. R. C.; GONÇALVES, E.; OLIVEIRA JUNIOR, L. B. de. Determinantes espaciais e socioeconômicos do suicídio no Brasil: uma abordagem regional. Nova Econ., Belo Horizonte, 21 (2), ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2015.

GUABIRUBA. Guabiruba é a cidade que tem maior crescimento populacional. Publicado em: 18 dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2015.

ROUQUAYROL, M. Z.; GOLDBAUM, M. Epidemiologia, História Natural e Prevenção de Doenças. In: ROUQUAYROL, M. Z., ALMEIDA FILHO, N. de. Epidemiologia & Saúde. 6. ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2003.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2014: os jovens do Brasil. Instituto Sangari. Secretaria-Geral da Presidência da República, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2014.

WHO. World Health Organization. Prevenção do Suicídio: um manual para profissionais da saúde em atenção primária. Genebra: Who Press, 2000. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2014




DOI: https://doi.org/10.18815/sh.2016v6n8.145

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Saber Humano: Revista Científica da Faculdade Antonio Meneghetti

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/legalcode

Saber Humano, ISSN-E 2446-6298, Restinga Sêca-RS, Brasil.

Licença Creative Commons
Saber Humano de https://saberhumano.emnuvens.com.br/sh/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.