A “ciência” do egoísmo: breves críticas ao direito e ao homem (do) direito

Tayson Ribeiro Teles

Resumo


Neste artigo, com certo caráter ensaístico-filosófico, pensa-se um pouco sobre o egoísmo humano como sendo uma das vigas mestras de existência e manutenção do atual Direito ocidental. Com suporte em pensamentos de autores diversos, pela metodologia da revisão bibliográfica qualitativa, comenta-se sobre exemplos de egoísmo no Direito de um modo geral, sobre egoísmos de “Homens do Direito” – profissionais da dita “Ciência” Jurídica, e sobre egoísmos de “Homens Direitos”, as pessoas comuns que obedecem cegamente às leis. As conclusões indicam que tanto os Homens Direitos como os Homens do Direito são desmedidamente egoístas, fato que colabora para que o Direito prossiga sendo aplicado em plasma de inenarrável egoísmo.


Palavras-chave


Egoísmo; “Ciência” Jurídica; “Homem do Direito”; “Homem Direito”.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Leonardo Lani de. A construção social do Estado de exceção. Rio Branco: IV Encontro Regional Norte de História da Mídia (Universidade Federal do Acre), 2016. (Comunicação Oral).

ABREU, Leonardo Lani de. Grupo e crença: análise de discurso de representações sociais sobre norma e poder na internet brasileira. In: XXIV Congresso Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Direito, 24, 2015, Florianópolis. Anais do XXIV CONPEDI - Sociologia, antropologia e cultura jurídicas, Florianópolis, p. 134-158. Disponível em:. Acesso em: 10 fev. 2018.

AFRICA DO SUL. Constituição da República da África do Sul de 1996. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2018.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Congresso Nacional, 1988. Disponível em:

.Acesso em: 10 fev. 2018.

DELRUELLE, Edouard. Metamorfoses do sujeito: a ética filosófica de Sócrates a Foucault. Lisboa: Instituto Piaget, 2004.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 24. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

KUJAWSKI, Gilberto de Mello. Prefácio. In: MINARDI, Inês. A elite possível: congresso constituinte de 1988. São Paulo: Expressão e Arte, 2007, p. 13-17.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A crítica da razão indolente. São Paulo: Cortez, 2001.

SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

SENA, Eberson Dias. Concepção de homem em Do contrato social de Rousseau, Revista Pandora Brasil, São Paulo, n. 34, set. 2011, p. 79-86.

Disponível em: Acesso em: 10 fev. 2018.

SIEYÈS, Joseph Emmanuel. A constituinte burguesa. Tradução de Norma Azevedo. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Lúmen Juris, 2009.




DOI: https://doi.org/10.18815/sh.2018v8n12.268

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Saber Humano: Revista Científica da Faculdade Antonio Meneghetti

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Saber Humano, ISSN-E 2446-6298, Restinga Sêca-RS, Brasil.

Licença Creative Commons
Saber Humano de https://saberhumano.emnuvens.com.br/sh/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.