Por um processo que não teme dizer seu nome: a busca pela necessária profanação processual

Bruno Gadelha Xavier

Resumo


O presente artigo tem como fulcro essencial a discussão da definição do papel da doutrina processual civil no paradigma constitucional vigente. Em época de discussões autofágicas e de posicionamentos auto-suficientes que olvidam a lógica do saber-poder e do biopoder inerente à jurisdição “Democrática de Direito”, a indagação neste resulta no repensar da própria gênese e necessidade da racionalização jurídica moderna, em suas formas e na construção de suas verdades, indagando, em um resultado conclusivo final, sobre a necessidade da crítica no direito processual.


Palavras-chave


Processo civil; conflito; crítica doutrinária.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

ARENDT, Hannah. Heidegger, a raposa. In: ______ Compreender: formação, exílio e totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008

CASTORIADIS, Cornelius. As encruzilhadas do labirinto II: os domínios do homem. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

______. As encruzilhadas do labirinto I. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? 2 ed. Rio de Janeiro: Edições 34, 2007.

DERRIDA, Jacques. Edmond Jabès e a questão do livro. In: ¬¬______. A escritura e a diferença. 4 ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. 3 ed. Rio de Janeiro: NAU editora, 2002.

GIRARD, René. A violência e o sagrado. 3 ed. São Paulo: Paz e terra, 2008.

LEÃO, Emmanuel Carneiro. O sentido grego do caos. SOFIA: Revista de filosofia da UFES, Vitória, Ano 1. n.0, p.7-21, 1994.

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Vol.1. 2 ed. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 2010.

HEGEL. G. W. F. "Über die wissenschaftlichen Behandlungsarten des Naturrechts, seine Stelle in der praktischen Philosophie, und sein Verhältnis zu den positiven Rechtswissenschaften". In: HEGEL. G.W.F Jenaer Schriften 1801-1807, Werke 2, Frankfurt: Suhrkamp (Taschenbuch Wissenschaft), 1970.

HEIDEGGER, Martin, FINK, Eugen. Heraclitus seminar. Alabama: University of Alabama Press, 1970.

LUHMANN, Niklas. Sociologia do direito I. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

______. Sociologia do direito II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1985.

MELLONI, Rosa Maria. Psicanálise, imagem e imaginário. Revista UNIFIEO, Osasco, Ano 2. n.3, p.141-154, 2000.

MÉSZÁROS, István. Estrutura social e formas de consciência: a determinação social do método. São Paulo: Boitempo, 2009.

MOREIRA, José Carlos Barbosa. Sobre a multiplicidade de perspectivas no estudo do processo. In: ______. Temas de direito processual: quarta série. São Paulo: Saraiva, 1989.

MULLER, Jean-Marie. O princípio da não-violência. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Martin Claret, 2009.

REALE, Giovanni; ANTISIERI, Dario. História da filosofia: filosofia pagã antiga. Vol.1. São Paulo: Paulus, 2003.

SILVA, Ovídio Baptista da. Processo e ideologia. Revista de Processo, São Paulo, n.110, p.19-36, abr./jun. 2003.

ZIZEK, Slavoj. A escolha de Lenin. In: ZIZEK, Slavoj. As portas da revolução: escritos de Lenin de 1917. São Paulo: Boitempo, 2005.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: Editora UNB, 1996.




DOI: https://doi.org/10.18815/sh.2018v8n12.305

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Saber Humano: Revista Científica da Faculdade Antonio Meneghetti

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Saber Humano, ISSN-E 2446-6298, Restinga Sêca-RS, Brasil.

Licença Creative Commons
Saber Humano de https://saberhumano.emnuvens.com.br/sh/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.