As redes de inovação sob a premissa do comunitarismo: ambientes para geração tecnológica na universidade

Isabel Grunevald, João Pedro Schmidt

Resumo


Este trabalho apresenta um olhar sobre a criação de novas tecnologias, caracterizadas através da inovação tecnológica na atual sociedade do conhecimento, observando-se se tal alcance está alinhado aos preceitos fundamentais da teoria filosófica-política do comunitarismo responsivo. O comunitarismo destaca o equilíbrio entre o Estado-comunidade-mercado, como modelo alternativo a dicotomia público/privado. Trata-se de um estudo inicial, no qual parte-se do pressuposto que a inovação tecnológica é fruto de um processo de construção coletiva, e não decorrendo de iniciativas individuais. A base teórica do presente texto no que tange ao comunitarismo está inclinada às obras de Amitai Etzioni e o método é o bibliográfico.

Palavras-chave


Comunitarismo Responsivo. Inovação tecnológica. Redes de inovação

Texto completo:

PDF

Referências


ADÁN, José Perez. Prólogo. ETZIONI, Amitai. La tercera vía hacia uma buena sociedade: propuestas desde el comunitarismo. Sagasta: Trotta, 2000.

ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ci. Inf., Brasília, v. 33, n. 3, p. 9-16, set./dez. 2004.

ALMEIDA, Marilis Lemos de. Rede de inovação: a articulação de estado, empresa e universidade. Porto Alegre: UFRGS, 2014.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS (Anprotec). Glossário dinâmico de termos na área de Tecnópolis, Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas. Brasília: Sebrae, 2002.

BOFF, S. O.; TEIXEIRA, A. H. Políticas públicas para as inovações tecnológicas como meio de fomento ao desenvolvimento nacional. In: REIS, J. R. et al. As políticas públicas no constitucionalismo contemporâneo. t.3. Santa Cruz do Sul : EDUNISC, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2015.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Apresenta informações gerais sobre o marco legal da inovação. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2015.

BRASIL. Ministério das Comunicações. Apresenta informações sobre inovação tecnológica. Disponível em: . Acesso em: 23 out. 2015.

Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Rede de Inovação da Biodiversidade da Amazônia. Brasília: CGEE, 2006.

CERVI, Jacson Roberto. As intersecções jurídicas entre o público e o privado e comunitarismo responsivo sob a ótica constitucional. In: REIS, J. R.; CERQUEIRA, K. L. (Org.) Intersecções jurídicas entre o público e o privado. Santa Cruz do Sul: IPR, 2013.

COSTA, M. M. M.; SILVA, L. O comunitarismo como mecanismo de Potencialização da participação política cidadã: uma alternativa em face da crise de legitimidade do estado contemporâneo. In: REIS, J. R. et al. As políticas públicas no constitucionalismo contemporâneo. t.3. Santa Cruz do Sul : EDUNISC,2011.

DAVILA, T.; EPSTEIN, M. J.; SHEKTON, R. As regras da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2007.

DUTTA, S.; LANVIN, B.; WUNSCH-VINCENT, S. (Edit.) The Global Innovation Index 2015: Effective Innovation Policies for Development. Geneva: WIPO, 2015.

______. The Global Innovation Index 2016: Effective Innovation Policies for Development. Geneva: WIPO, 2016.

DZIEKANIAK, G.; ROVER, A. Sociedade do Conhecimento: características, demandas e requisitos. Revista de Informação, n. 5, v. 12, out. 2011. Disponível em < http://www.dgz.org.br/out11/Art_01.htm>. Acesso em: 02 nov. 2015.

ETZIONI, Amitai. La tercera vía hacia una buena sociedade: propuestas desde el comunitarismo. Sagasta: Trotta, 2001.

______. La nueva regla de oro: comunidad y moralidad en una sociedad democrática. Barcelona: Paidós, 1999.

_______. Organizações modernas. 6.ed. São Paulo: Pioneira, 1980.

FLORIDA, Richard. A ascensão da classe criativa: e seu papel na transformação do trabaho, do lazer, da comunidade e do cotidiano. Porto Alegre: L&PM Editores, 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Inovação (PINTEC) – 2011. Disponível em . Acesso em 23 ago. 2015.

MATTOS, J. R. L.; GUIMARÃES, L. S. Gestão da Inovação Tecnológica: uma abordagem prática. São Paulo: Saraiva, 2005.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Manual de Frascati: Metodologia proposta para levantamentos sobre pesquisa e desenvolvimento experimental. [S.l.]: F-INICIATIVAS P+D+I, 2013.

SCHMIDT, João Pedro. Para entender as políticas públicas: aspectos conceituais e metodológicos. In: REIS, J. R.; LEAL, R. G. (Org.) t al. Direitos Sociais e políticas públicas: desafios contemporâneos. t.8. Santa Cruz do Sul : EDUNISC,2008.

_______. Amitai Etzioni e o paradigma comunitarista: da sociologia das organizações ao comunitarismo responsivo. Lua Nova, São Paulo, n. 93, p. 93-138, set./dez. 2014.

_______. Comunitarismo e capital social: convergências. Revista Debates, Porto Alegre, n. 2, v. 9, p. 55-75, mai./ago. 2015.

_______; ARAUJO, N. Comunidade e comunitarismo na Constituição Federal e na legislação brasileira. Novos Estudos Jurídicos, v. 17, n. 3, p. 327-344, set./dez. 2012.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TIGRE, Paulo Bastos. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

TOMAÉL, Maria Inês. Redes de conhecimento. Revista de Ciência da Informação, v. 9, n.2, abr. 2008. Disponível em < http://www.dgz.org.br/abr08/Art_04.htm>. Acesso em: 27 ago. 2015.

______.; ALCARÁ, A. R.; DI CHIARA, I. G., Das redes sociais à inovação. Ci. Inf., Brasília, v. 34, n. 2, p. 93-104, mai./ago. 2005.




DOI: https://doi.org/10.18815/sh.2020v10n17.460

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Saber Humano: Revista Científica da Faculdade Antonio Meneghetti

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Saber Humano, ISSN-E 2446-6298, Restinga Sêca-RS, Brasil.

Licença Creative Commons
Saber Humano de https://saberhumano.emnuvens.com.br/sh/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.