O sentido do trabalho: a visão humanista e a aposentadoria
The sense of work: the humanist vision and retirement

Beatriz Machri de Pellegrini, Noemi Boer

Resumo


A constatação de que determinadas pessoas continuam trabalhando profissionalmente após o tempo regulamentar de aposentadoria, motivou a elaboração deste estudo de caráter bibliográfico. Foram estabelecidos como objetivos da pesquisa contextualizar o cenário histórico sobre o trabalho e os sentidos a ele atribuídos desde a sociedade pré-industrial até os dias atuais; elaborar uma síntese histórica sobre a aposentadoria no Brasil; descrever os aspectos de ordem psicossocial do trabalho a partir da psicologia moderna e apresentar a visão humanista do trabalho com as contribuições da Ontopsicologia. As conclusões do estudo apontam para a importância da construção de cada etapa da vida produtiva como condição preparatória para a etapa subsequente de crescimento e realização. A necessidade do fazer como condição do indivíduo para a autorrealização, pois somente a ação permite o torna-se. O trabalho perpassa tanto a atividade mental, quanto intelectual, é condição para o indivíduo constituir-se enquanto pessoa. O homem, no seu fazer e agir amplia o prazer de existir e o trabalho possibilita crescimento e aperfeiçoamento da pessoa e da dignidade humana.


Palavras-chave


Trabalho. Aposentadoria. Sentido ontológico.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 3.ed. São Paulo: Boitempo Editorial, 1999.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. Campinas: Cortez, 2006.

ARISTÓTELES. A Ética Nicômaco. São Paulo: Martin Claret, 2011.

BARROS, A. J. da S.; LEHFELD, N. A. de S. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed.São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 5 out. 1988.

MASLOW, A. H. Diário de negócios de Maslow. Organizado por Déborah C. Stephens. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.

MENEGHETTI, A. Dall'humanesimo storico all'humanesimo perene. Rome-Italy: Psicologia Editrice, 2010.

MENEGHETTI, A. Dicionário de Ontopsicologia. 2. ed. Recanto Maestro: Ontopsicológica Editora Universitária, 2012.

MENEGHETTI, A. O critério ético do humano. Porto Alegre: Ontopsicológica Editrice, 2002.

MENEGHETTI, A. O em si do homem. 5. ed. Recanto Maestro: Ontopsicológica Editrice, 2004.

MENEGHETTI, A. O projeto homem. 3. ed. Recanto Maestro: Ontopsicológica Editora Universitária, 2011.

MENEGHETTI, A. Manual de Ontopsicologia. 4. ed. Recanto Maestro: Ontopsicológica Editora Universitária, 2010.

MORIN, E. Os sentidos do trabalho. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.41, n.3, p.8-19, jul./set., 2001.

MERCADANTE, E. Aspectos antropológicos do envelhecimento. In: NETTO, M. P. Gerontologia: a velhice e o envelhecimento em visão globalizada. São Paulo: Atheneu. 1996.

MESSY, J. A pessoa idosa não existe: uma abordagem psicanalítica da velhice. 2. ed. São Paulo: ALEPH. 1999.

NERI, L. A. Idosos no Brasil: vivências, desafios e expectativas na terceira idade. São Paulo: SESCSP, 2007.

PACHECO, J. L; CARLOS, S.A. Relações do Homem com o trabalho e processo de aposentadoria. In: FREITAS, E.V.; NERI, A.L. (org.) Tratado de Geriatria e Gerontologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

PEIXOTO, C. Entre o estigma e a compaixão e os termos classificatórios: velho, velhote, idoso e terceira idade. In: MORAES, M. Velhice ou terceira idade? 2ª ed. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

ROMANINI, D. P.; XAVIER, A. A. de P.; KOVALESKU, J. L. Aposentadoria: período de transformações e preparação. XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004. http://www.pg.cefetpr.br/ppgep/Ebook/ARTIGOS/69.pdf. Acesso em: 11 nov. 2011.

ROTHMAN, I.; COOPER, C. Fundamentos de Psicologia Organizacional e do trabalho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

SANTOS, M. de F. de S. Identidade e Aposentadoria. São Paulo: EPU, 1990.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. rev. e amp. São Paulo-SP: Cortez, 2002.

BRASIL. Lei Nº 3.807, de 26 de agosto de 1960. Diário Oficial da República Federativa o Brasil.Brasília, 5 set. 1960.

BRASIL. Lei Nº 8.212, de 24 de julho de 1991. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.Brasília, 25 jul. 1991.

BRASIL. Lei Nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 3 out. 2003.

DE MASI , Domenico. O futuro do trabalho: fadiga e ócio na sociedade pós-industrial.Tradução de Yadyr A. Figueiredo. 3.ed. Rio de Janeiro: José Olympio; Brasília, DF: ed. Da UNB,2000.

DE MASI , Domenico. O ócio criativo: entrevista a Maria Serena Palieri. Tradução de Léa Manzi. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

ERIKSON, E. O ciclo de vida completo. Tradução Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

FERREIRA, B. W.; Ries, B. E. Desenvolvimento psicossocial: Erik Erikson. In: ______.(Orgs.). Psicologia e educação: desenvolvimento humano. 2.ed. Porto Alegre: EDIPUCRS,2005.

FIGUEIREDO, N. C. M. Interfaces no trabalho voluntário na aposentadoria. Dissertação (Mestrado em Psicologia)– Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2005. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/4448/000501435.pdf?sequence=1. Acesso em: 11 nov. 2011.

HOWARD, S. F.; MIRIAM, W. S. Teorias da personalidade: da teoria clássica à pesquisa moderna. Tradução Beth Honorato. 2. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA -IBGE. Síntese de indicadores sociais – Uma análise das condições de vida da população brasileira – 2012. ftp://ftp.ibge.gov.br/Indicadores_Sociais/Sintese_de_Indicadores_Sociais_2012/SIS_2012.pdf Acesso em: 20 jun. 2013.

INSTITUTO PRUDENÓPOLIS PREVIDÊNCIA - IPP. Resumo histórico da previdência social no Brasil. 2014 http://www.prudentopolisprevidencia.com.br/institucional/artigo.php?id_artigo=5 Acesso em: 14 jan. 2014.

JAEGER, W. Paidéia: a formação do homem grego. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LEHR, Úrsula. Psicologia de la senectud. Barcelona: Herder, 1980.

LURIA, A. R. Curso geral de Psicologia: introdução evolucionista à Psicologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.1991. V.1.

MARX, K. O capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. V1/1.

SHAFFER, D. R. Psicologia do desenvolvimento: infância e adolescência. Tradução Cintia Regina Pemberton Cancussu. São Paulo: Pioneira Thomson. Learning, 2005.

VIDOR, A. Opinião ou ciência. Recanto Maestro: Ontopsicológica Editora Universitária, 2014.




DOI: https://doi.org/10.18815/sh.2014v4n5.50

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Saber Humano, ISSN-E 2446-6298, Restinga Sêca-RS, Brasil.

Licença Creative Commons
Saber Humano de https://saberhumano.emnuvens.com.br/sh/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.