Características do perfil de lideranças femininas e masculinas do agronegócio do Rio Grande do Sul
Features of leadership profile female and male of Rio Grande do Sul agribusiness

Jussara Foletto, Estela Maris Giordani

Resumo


O objeto em construção nesta pesquisa é a identificação do estilo feminino e masculino de liderança no contexto do agronegócio no estado do Rio Grande do Sul. O tema é muito instigante e remete a um amalgama de elementos que se conjecturam por meio de elementos históricos, sociais,culturais e principalmente elementos profundos de psicologia humana o que o torna de complexa abordagem. A pesquisa quantitativa foi realizada com um grupo de 30 homens e 30 mulheres por meio de um questionário próprio. Os resultados indicam que o preconceito por parte do homem à mulher considerando-a inferior em capacidade de administrar são formas que a própria mulher encontra para dar as desculpas necessárias a fim de não assumir, porque isso, de certa forma, é cômodo, o preconceito está mais na cabeça da mulher do que na própria visão do homem. Os dois juntos, homem e mulher se complementam nos negócios. Portanto existe uma percepção positiva em relação a liderança feminina no agronegócio e, o homem além de valorizar a mulher quer que ela assuma cargos de liderança.

Palavras-chave


Liderança Feminina. Agronegócio. Psicologia do Líder. Ontopsicologia.

Texto completo:

PDF

Referências


BAGGIO, L. M. Dalla Donna famiglia alla Donna impresaria. Tese de Especialização Profissional em Psicologia com abordagem em Ontopsicologia. Faculdade de Psicologia. Cátedra de Ontopsicologia. Universidade Estatal de São Petersburgo (RU), 2006.

BARDWICK, J. M. Mulher, sociedade, transição: como o feminismo, a liberação sexual e a procura da auto-realização alteraram nossas vidas. São Paulo: DIFEL, 1981.

BARSTED, Leila Linhares (org.). O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Rio de Janeiro: CEPIA; Brasília: ONU Mulheres, 2011. p. 07-14. Disponível em. Acesso em 29 dezembro, 2013.

BIBLIA SAGRADA. Livro do Gênesis. Versículos 1 – 21. Tradução Pe. Antonio Pereira de Figueiredo. Rio de Janeiro: Barsa, 1977.

BOJANIC, Alan e ANRIQUEZ, Gustavo. Mulheres na agricultura: brechas de desenvolvimento . 03/07/2011 . Disponívelem

https://www.fao.org.br/vernoticias.asp?id_noticia=1000. Acesso em 01/02/2014.

BONI, V. Gênero: o doméstico e o produtivo na agroindústria familiar. In: Conferencia de Sociologia Rural, 7., 2006, Quito. Anais... Equador: IRSA, 2006.

BORGES, Gisele do Rocio. Análise da figuração feminina em 'O tempo e o vento' de Érico Veríssimo. Eletras, vol. 18, n.18, jul.2009. p. 247.

CARREIRA, Denise; AJAMIL, Menchu; MOREIRA, Tereza (orgs.). A liderança feminina no século 21. São Paulo: Cortez, 2001. p. 13.

CIELO, Ivanete Daga; WENNINGKAMP, Keila Raquel; SCHMIDT, Carla Maria. A Participação Feminina no Agronegócio: O Caso da Coopavel – Cooperativa Agroindustrial de Cascavel. Revista Capital Científico – Eletrônica (RCCe) – ISSN 2177-4153 – Vol. 12 n.1-janeiro/Março 2014.

DUBY, G. & PERROT, M. (org.). História das mulheres: a antiguidade. Porto: Edições Afrontamento, 1990.

DUVAL, H. C.; BERGAMASCO, S. M. P. P. Agroindústrias familiares em assentamentos rurais: análise de duas experiências da região de Araraquara/SP. Instituto Interamericano de Cooperação para agricultura, IICA: São Paulo, junho 2011. 19p.

GOMES, Almiralva Ferraz. O Outro no Trabalho: Mulher e Gestão. Revista de Gestão USP, São Paulo, v.12, n.3, p. 1-9, jul/set 2005.

HERMETO, C. M. & MARTINS, A. L. O livro da psicologia. São Paulo: Globo, 2012. p. 105.

JIRONET, Karin. Liderança feminina: gestão, psicologia junguiana, espiritualidade e jornada global através do purgatório. São Paulo: Paulus, 2012.

LIMA, T. J. S. De. Modelos de valores de Schwartz e Gouveia: comparando conteúdo, estrutura e poder preditivo. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social.

Mestrado em Psicologia. Universidade Federal da Paraiba. UFP. João Pessoa, fevereiro, 2012.

LODEN, Marilyn. Liderança feminina: como ter sucesso nos negócios sendo você mesma. São Bernardo do Campo (SP): Bandeirante, 1988.

MENEGHETTI, A. Pedagogia ontopsicológica. Recanto Maestro (RS): OntoEd, 2005. p. 237.

MENEGHETTI, Antonio. A feminilidade como sexo, poder, graça. 5. ed. Recanto Maestro: Ontopsicológica, 2013.

MENEGHETTI, Antonio. Dicionário de Ontopsicologia. 2a. ed. Recanto Maestro (RS): Ontopsicologica, 2012b, p. 128.

MENEGHETTI, Antonio. Entrevista Exclusiva - Professor Antonio Meneghetti abre as portas de sua casa à Rede Jauru. Jornal Cidades do Vale – O jornal da Quarta Colônia. Sexta-feira, 10 de maio 2013. p. 15-18 . Disponível Em

Acesso em 01/02/2014.

MENEGHETTI, Antonio. Il modo maschio. Roma: Psicologica Editrice, 2009. p. 4.

MENEGHETTI, Antonio. Manual de Ontopsicologia. 4a. ed. Recanto Maestro, São João do Polêsine, Ontopsicológica Editrice, 2010.

MENEGHETTI, Antonio. Pedagogia Ontopsicologica. 4a. ed. Recanto Maestro, São João do Polêsine, Ontopsicológica Editrice, 2014.

MENEGHETTI, Antonio. Seis mulheres e a imaculada conceição. Recanto Maestro (RS): Ontopsicologica, 2013b, p. 50.

MUNHOZ, Glaucia de Souza. Quais as contribuições que o estilo feminino de liderança traz para as organizações empreendedoras? ANAIS DO I EGEPE, p. 164-176, out./2000.

ONDEI, Vera. As damas do agronegócio. Revista Dinheiro Rural: a revista do agronegócio brasileiro. Edição 90, ano 8, abr. 2012. p. 52 – 59.

PITANGUY, Jacqueline. Advocacy e direitos humanos. In: BARSTED, Leila Linhares (org.). O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Rio de Janeiro: CEPIA; Brasília: ONU Mulheres,

p. 20-57. Disponívelem http://www.senado.gov.br/atividade/materia/getPDF.asp?t=108224&tp=1. Acesso em 27 dezembro, 2013.

SCHULTZ, DUANE P., SCHULTZ, SYDNEY ELLEN. Teorias da personalidade. São Paulo: Thomson Learning, 2008. p. 98.

SCHUCH, Maria Alice Castilho. Mulher aonde vais? Convém? Porto Alegre: Ed. do Autor, 2013.

TAVARES Rebecca Reichmann. Igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres. In In: BARSTED, Leila Linhares (org.). O Progresso das Mulheres no Brasil 2003–2010. Rio de

Janeiro: CEPIA; Brasília: ONU Mulheres, 2011. p. 07-14. Disponível em. Acesso em 29 dezembro, 2013.

VERÍSSIMO, Érico. O Tempo e o Vento. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

WANKE, Thamires. Resenha: as diferenças entre os sexos - mito ou realidade? Disponível em .Acesso em 30 de dezembro de 2013.

SOMOGGI, Laura. O executivo perfeito é metade homem, metade mulher. VOCÊ S.A. São Paulo: Ano 3, no 19, 12-14, jan. de 2000.




DOI: https://doi.org/10.18815/sh.2014v4n5.56

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Saber Humano, ISSN-E 2446-6298, Restinga Sêca-RS, Brasil.

Licença Creative Commons
Saber Humano de https://saberhumano.emnuvens.com.br/sh/index está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.